Os erros dos concurseiros

Olá, guerreiros!

Gostaria, assim, de me apresentar. Meu nome é Carlos Pereira, sou Auditor do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, ex-oficial do Exército Brasileiro. Sou formado pela Academia Militar das Agulhas Negras.

Minha relação com os concursos públicos se iniciou em 2008 e durou aproximadamente 4 anos, no total.

É essa experiência de concurseiro e meu apreço pela área que venho colocar à sua disposição, refletidos nas postagens que realizarei, neste espaço, contando sempre com a sua colaboração e interação por todos os nossos canais disponíveis.

Para iniciar, gostaria de enumerar alguns dos erros que considero mais comuns cometidos pelos que estão iniciando seu estudo para concursos, ou mesmo por quem já está há algum tempo na labuta.

1. INICIAR OS ESTUDOS FRENÉTICOS

O primeiro e mais clássico é o início frenético, em que a vontade de alcançar o objetivo supera a razão e faz com que o candidato inicie o estudo numa carga horária e num ritmo impossível de ser mantido de maneira sustentável. Nesse ponto, sempre gosto de fazer uma comparação com dietas extremamente restritivas ou com o primeiro dia de academia, em que o ideal seria se valer de pesos leves e, somente após, promover seu aumento gradativo.

No estudo, vale a mesma regra: é preciso condicionamento físico! E, infelizmente, você só o conquistará com o tempo e com o hábito de estudar sempre! Assim, a dica é: ajuste a sua rotina para que os horários de estudo fiquem bem definidos e com intervalos regulares (para mim, utilizo lapsos de 50 minutos, com descanso de 10), até que se habitue a estudar pelo maior número de horas possível.

2. COMPARAR COM O COLEGA CONCURSEIRO DO LADO

O segundo erro, na minha opinião, é um dos mais difíceis de controlar: a comparação com o colega concurseiro do lado! É óbvio que trocar ideias é sempre bom, verificar o que funciona ou já funcionou para outras pessoas é uma excelente forma de melhorar a sua performance nos estudos.

No entanto, o erro consiste em ignorar suas características e peculiaridades pessoais para seguir o outro. Isso pode ser fatal para a sua preparação.

3. ABANDONAR O CONVÍVIO SOCIAL

Abandonar, completamente, o convívio social é um erro muito frequente. Novamente, o que manda é o bom senso! Claro que, ao impor uma rotina rígida de estudos, você terá de renunciar a uma série de coisas, uns mais, outros menos. Contudo, não se prive demais, se dê ao luxo de, antes de o edital abrir, tomar sua cervejinha aos sábados!

4. DEIXAR DE PRATICAR ATIVIDADE FÍSICA

Deixar as atividades físicas de lado, para ter mais tempo para estudar, também é um erro bastante comum. Há de se ressaltar, no entanto, que estudos afirmam que a prática de atividades físicas auxilia muito na absorção do conteúdo. Não precisa virar um atleta de alto rendimento! Basta uma atividade moderada de duas a três vezes por semana… Pode ser até uma leve caminhada!

5. LIMITAR A CRIATIVIDADE

Como vou ficar com cinco erros, por enquanto, o último consiste na limitação de sua criatividade. Ou seja, apesar de seu estudo ser limitado ao edital e você já ter clareza acerca do conteúdo a ser estudado, permita-se ser curioso! Isso porque, ao pesquisar sobre a aplicação, por exemplo, de uma matéria na prática, seu cérebro associa aquele conteúdo ao exemplo pesquisado, fazendo com que você não mais dele se esqueça.

Na minha opinião, essa associação prática, decorrente da sua curiosidade, é um dos instrumentos mais eficazes de memorização.

É isso aí! Espero que vocês gostem e façam deste espaço uma importante ferramenta à sua aprovação.

Imprimir